Desesperado, brasileiro denuncia ex-patrões exploradores

Miguel afirma que vai abrir processo e relatar nomes dos acusados
Miguel afirma que vai abrir processo e relatar nomes dos acusados

O paranaense Miguel Olivetti continua sua tentativa de retornar aos Estados Unidos, desta vez pela porta da frente. Depois de ter sido deportado, em 2011, ele não conseguiu se readaptar à cultura brasileira e sofre com o baixo salário pago ao trabalhador neste país. “Eu não suporto mais e preciso de ajuda para voltar”, implora.

Um dos caminhos utilizados por ele para sensibilizar as autoridades norte-americanas é denunciar supostos esquemas de exploração da mão-de-obra imigrante. “Eu fui vítima destes marginais que nos exploram e ameaçam porque sabem quem somos indocumentados e temos medo de procurar a polícia”, explica.

Nesta semana, ele tornou público mais um capítulo desta luta pelo seu retorno aos EUA. Miguel resolveu contar um pouco sobre os casos de explorações e o quanto sofreu e sofre nas mãos destes exploradores. Ele conta que trabalhou no South County Hospital, em Wakfield (Rhode Island) para um brasileiro que há oito anos explora imigrantes indocumentados. “Ele e seus filhos estão em situação legal neste país e usam isso para intimidar as pessoas”, continua.

Miguel citou o nome do suposto explorador, mas como ele ainda não protocolou nenhum processo serão usadas apenas as iniciais desta pessoa (D.R.). Segundo o paranaense, o acusado contrata um imigrante e depois não o paga. “Quando vamos cobrar o que nos é devido, ele nos ameaça até de avisar a Imigração”, afirmou. “Ele é um monstro, arrogante e ameaçador e vive atualmente em Fall River”, continua.

Além dos exploradores, Miguel denuncia um casal que estaria envolvido em um suposto esquema de falsificação de documentos. Segundo ele, um casal teria falsificado documentos em São Paulo para entrar nos Estados Unidos. Os dois ainda continuam prejudicando pessoas e muitas ameaças a quem resolve denunciá-los.

O casal mora em Cotuit (Massachusetts) e Miguel afirma que procurou a mãe do rapaz, em Maringá (Paraná). “Eu queria que ela falasse com ele para nos pagar, pois precisamos deste dinheiro”, explicou. “Mas ele disse que mora nos EUA e eu estou no Brasil e por isso não tenho como cobrá-lo e não vai me pagar”, continua.

Miguel entrou na página do facebook da polícia de Barnstable (MA), postou uma foto deste casal e contou toda a história. Ele disse que até pode não conseguir voltar a viver nos Estados Unidos, mas lutará até o fim para ver os “criminosos que o exploraram e o prejudicaram pagando pelos seus erros”. O paranaense afirma que vai buscar apoio na Polícia Federal do Brasil e que continuará mantendo contato com a polícia norte-americana.

Quem se interessar pelo caso ou quiser ajudar, pode enviar e-mail para miguel_olivetti@hotmail.com

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

2 comentários

    • Qual cidadão? Se está falando de quem ele denuncia como exploradores, eu optei por não publicar até que o caso entre na justiça, pois até então ele o Miguel está denunciando e eu não posso prejudicar uma pessoa sem provas…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s