“Brancos vão retomar a América”, afirma KKK

kkk-ganha-forca-com-eleicao-de-trump
Grupo racista se fortalece após vitória de Trump

O grupo, que não se considera “supremacia branca, diz que o objetivo é expulsar imigrantes, negros e outras pessoas dos Estados Unidos

Membros do Ku Klux Klan alegaram nas últimas semanas que a eleição de Donald Trump serviu como prova de que os brancos estão retomando a América. Eles também afirmam que a América foi fundada por e para brancos e que agora precisam “retirar” os imigrantes, pessoas de cor e outros grupos marginalizados do país. Mas o grupo também ressaltou que não é a “supremacia branca”.

“Nós não somos a supremacia branca”, disse um homem, pouco antes de um desfile pró-Trump KKK. “Acreditamos na nossa raça.” Esta entrevista ocorreu durante um evento noturno perto da fronteira norte da Carolina com a Virgínia. Mas outros membros Klan se descreveram como separatistas brancos – um subgrupo nacionalista formado apenas por brancos.

As afirmações dos membros do Klan de que não são “supremacia branca” contrastam diretamente com a missão declarada pela organização. O Kloran – o manual oficial do KKK, cuja versão original foi publicada há pouco mais de 100 anos – afirma que o Klan “sempre será verdadeiro na manutenção fiel da Supremacia Branca”. O Kloran não se desvaneceu na obscuridade. Muitos grupos ainda o seguem.

É provável que os membros do KKK procurem tornar seu racismo mais “respeitável” ou “palatável” ao desautorizar o rótulo de supremacista branco. Eles também não são os únicos – o surgimento do chamado “Alt-Right” após a eleição de Trump deve nos lembrar que o racismo não pode ser respeitável e que não deve ser normalizado.

Só porque o KKK, o Alt-Right, e outros apoiantes extremistas de Trump alegaram que eles não são a supremacia branca não quer dizer que eles não o são.

A discussão sobre como descrever o KKK não é apenas uma de semântica. Para lutar contra o racismo e a supremacia branca, é necessário identificá-los explicitamente primeiro. Ao rejeitar o rótulo de “supremacista branco”, os membros do Klan estão fazendo exatamente o que Trump fez para ganhar a eleição: vomitando ódio sob um disfarce de respeitabilidade. Na verdade, não é ridículo, uma vez que Trump foi tão bem sucedido usando esta estratégia.

Trump desautorizou David Duke e o KKK, mas apoiou agressivamente um muro de fronteira entre os EUA e o México, que o KKK vem tentando fazer há anos. Ele amenizou as comparações entre suas políticas em relação aos muçulmanos e o Holocausto, mas nomeou um conhecido supremacista branco e anti-semita, Steve Bannon, para seu gabinete.

Em outras palavras, Trump escondeu-se atrás da redução nas críticas para fazer o que sempre quis. E funcionou. Agora, o KKK está fazendo a mesma coisa com o rótulo de “supremacia branca”. Os membros do Klan sabem que mais pessoas provavelmente consumirão sua mensagem se não forem tão explícitas e agressivas. Mas se eles se descrevem ou não como “supremacia branca”, todos sabem que eles são.

banner-danilo-brack

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s